Aguarde...
Érico Veríssimo

Erico Verissimo é, sem sombra de dúvida, um dos maiores escritores brasileiros do século XX. Nascido em Cruz Alta, no Rio Grande no Sul, no dia 17 de dezembro de 1905, sua família rica chegou à falência. Ao frequentar o Colégio Venâncio Aires na sua cidade natal, o menino comportado e estudioso criou, com quase dez anos, um “revista” intitulada Caricatura, na qual apresentava seus desenhos e alguns textos. Aos treze, Erico já consumia autores brasileiros renomados, como Aluísio Azevedo e Joaquim Manoel de Macedo, e estrangeiros, como Walter Scott, Émile Zola e Fiódor Dostoiévski. Em 1920, o escritor foi matriculado no extinto internato protestante, Colégio Cruzeiro, atual Colégio Ipa, e por lá se destacou como ótimo aluno, até completar seus estudos e retornar a Cruz Alta. De volta à terra natal, Verissimo se tornou sócio de uma farmácia, que mais tarde entraria em falência e deixaria o escritor em maus lençóis. Somente depois de 17 anos o escritor conseguiu se livrar da dívida obtida. Durante esse período, Erico trabalhou como professor de literatura e inglês. Os primeiros textos do escritor foram publicados em 1927, na revista mensal Cruz Alta em Revista, mesmo ano em que se tornou noivo de Mafalda Halfen Volpe. Um amigo do escritor enviou os contos Ladrão de Gado e A Tragédia dum Homem Gordo à revista do Globo e, na década de 1930, Erico volta a Porto Alegre para trabalhar como secretário de Redação da Revista. Um ano mais tarde, Verissimo retornou a Cruz Alta para buscar sua noiva Mafalda e levá-la a Porto Alegre. Em 1935, nasce sua primeira filha, Clarisse; em 1936, Luis Fernando Verissimo. Para ajudar na renda familiar, Erico ainda traduzia livros do inglês, e entre suas traduções estão O Sineiro, de Edgar Wallace, e Contra Ponto, de Aldous Huxley. O escritor também começou a colaborar com o jornal Correio do Povo e Diário de Notícias aos domingos, na mesma época em que foi promovido na Revista do Globo, passando ao cargo de diretor. Foi nesse período que Erico lançou sua obra de estreia, a coletânea de contos Os Fantoches. Seguido de seu primeiro romance, Clarissa, e logo depois pelo livro Caminhos Cruzados. Em 1936, publicou mais dois livros como continuação de Clarissa, mas foi em 1938 que lançou sua primeira obra de respaldo nacional e internacional, intitulada Olhai os Lírios do Campo, traduzida para diversas línguas. Na década de 40, Erico continuou a publicar seus livros e passou um tempo morando nos EUA. Em seguida, começou a escrever sua obra mais clássica, a trilogia o Tempo e o Vento, com o primeiro volume, O Continente, lançado em 1948. A terceira parte foi publicada somente em 1962. Verissimo ganhou muitos prêmios por sua obra, entre eles Prêmio Jabuti, Machado de Assis e Intelectual do Ano. Suas obras hoje são referência para diversos outros escritores nacionais e internacionais. Livros de Erico Verissimo: Caminhos Cruzados Clarissa Incidente em Antares Música ao Longe O Resto é Silêncio O Senhor Embaixador O Tempo e o Vento - O Arquipélago O Tempo e o Vento - O Continente O Tempo e o Vento - O Retrato Olhai os Lírios do Campo Saga Um Lugar ao Sol

Obras mais recentes:

Se você gostou de Érico Veríssimo, talvez você goste também de...

ROLAR PARA O TOPO