Aguarde...
 

PARTICIPAÇAO POPULAR, MEMORIA E VERDADE


    R$ 125,00

    em até 4x de R$ 31,25 sem juros no cartão, ver mais opções

    Últimas unidades!

    Calcule prazo de entrega e frete:

     - 
    Este produto pode ser retirado em loja

    FRETE GRÁTIS para o Sul e Sudeste nas compras acima de R$ 69,00; para o Centro-Oeste e Nordeste, nas compras acima de R$ 99,00; e, para o Norte, nas compras acima de R$ 139,00 - Confira o regulamento


    Sinopse

    A inauguração do Estado Democrático de Direito com a Constituição de 1988 alçou o sujeito da posição de mero administrado à posição de cidadão. Com isso, restou alterada toda a relação entre o cidadão e a administração pública. Tal fato impôs a necessidade de releitura do direito administrativo e dos seus antigos paradigmas - como a supremacia do interesse público, a legalidade, o ato administrativo, os contratos - e o dever de abandonar uma concepção de administração atrelada à força, ao poder e à autoridade e passar para um perfil consensual, mediador e participativo. Nesse sentido, o presente trabalho pretendeu analisar a administração pública brasileira e estudar a participação popular dentro de um modelo democrático de administração. O instrumento participativo eleito para estudo foram as conferências nacionais. No caso, a 11ª Conferência Nacional dos Direitos Humanos (11ª CNDH). O tema é de extrema relevância - pela primeira vez nas conferências nacionais, foi instituído um eixo temático para analisar o direito à memória e à verdade e a temática do que resta da ditadura. Na 11ª CNDH se reúnem dois lados da relação do sujeito com o Estado - de um lado, o oferecimento pelo Estado de um canal participativo refletindo um modelo de administração pública democrática e, de outro, a utilização desse instrumento participativo pela sociedade para denunciar um modelo de Estado autoritário. Ora, o conflito entre autoritarismo e democracia fica, pois, evidente. Isso porque, por força da participação popular, isto é, por força de um instrumento altamente democrático, a sociedade levanta aspectos autoritários desse Estado. A 11ª CNDH e, em especial, a temática do direito à memória e à verdade, fez emergir o silêncio e a omissão do Estado brasileiro em lidar com uma parte negativa de sua história. Com isso, a 11ª Conferência Nacional dos Direitos Humanos tornou-se um marco de consciência nacional.

    Detalhes do Produto

      • País de Produção: Brazil
      • Código de Barras:  9788584401062
      • ISBN:  8584401067
      • Encadernação:  BROCHURA
      • Altura: 23.00 cm
      • Largura: 16.00 cm
      • Comprimento: 3.00 cm
      • Peso: 0.57 kg
      • Complemento:  NENHUM
      • Nº de Páginas:  382

    Avaliação dos Consumidores

    ROLAR PARA O TOPO