Aguarde...

SERROTE - Nº09



Produto sob encomenda
Previsão: 4 Semanas + Frete

Calcule prazo de entrega e frete:

 - 
Este produto pode ser retirado em loja

Sinopse

A 'Serrote', revista de ensaios do Instituto Moreira Salles, chega à sua nona edição com a publicação dos nomes dos vencedores do prêmio de ensaísmo serrote. O ensaio 'Os duplos de Sebald', de Luciano Ferreira Gatti, ficou com o primeiro lugar e será publicado na próxima edição. A capa da revista é do ilustrador Edward Gorey, que em 1964 publicou o livro só de desenhos 'A ala oeste' (na íntegra nesta edição). São 32 páginas de trabalhos unidos pelo mistério que cerca pequenos eventos que acontecem em um mesmo cômodo. A nona edição também publica a aula que Cynthia Ozick dá sobre o gênero em 'Retrato do ensaio como corpo de mulher'. O escritor brasileiro Bernardo Carvalho faz um relato sobre o ateliê interdisciplinar proposto por Olafur Eliasson em Berlim, onde o artista dinamarquês discute o mundo sob uma óptica benevolente e comunitária. Além disso, o crítico alemão Boris Groys lê pontos da arte contemporânea. O artista compartilha a arte com o público, assim como outrora compartilhava a religião ou a política. Três narrativas de escritores frente a frente com Paris pela primeira vez na vida estão na nona edição da revista - cartas de William Faulkner (1897-1962), Paulo Mendes Campos (1922-1991) e Julio Cortázar (1914-1984). Dorrit Harazim descreve como Ryszard Kapúscinski (1932-2007) criou um mundo próprio ao retratar o fim da dinastia Pahlevi do Irã. No 'Alfabeto serrote', Svetlana Boym, romancista e professora do Departamento de Literatura Comparada de Harvard, desbrava a palavra nostalgia. Em 'Zelda', Elizabeth Hardwick escreve sobre a mulher de F. Scott Fitzgerald, a escritora que, vivendo na sombra do marido, conviveu com o desesperado impulso criativo dos que sequer têm uma arte. Na seção 'Quadro a quadro', o crítico de arte Ronaldo Brito escreve sobre 'o homem que habita Chuva', xilogravura colorida sobre papel japonês feita por Oswaldo Goeldi (1895-1961) em 1957. No final, o arquiteto holandês Rem Koolhaas escreve sobre a ideia do espaço-lixo, resíduo da modernização, que entre escadas rolantes e ambientes refrigerados lança o leitor numa era pós-existencial.

Detalhes do Produto

    • Ano:  2011
    • País de Produção: Brazil
    • Código de Barras:  2000229683105
    • Encadernação:  BROCHURA
    • Altura: 24.00 cm
    • Largura: 18.00 cm
    • Complemento:  NENHUM
    • Nº de Páginas:  250

Avaliação dos Consumidores

ROLAR PARA O TOPO