Aguarde...
 

DO 11 DE SETEMBRO A CRISE DO IRAQUE


Produto Indisponível

Sinopse

Num livro muito a propósito, Freitas do Amaral reflecte sobre aquilo que ele considera atropelos da Administração Bush ao Direito Internacional, e avisa que "a Europa tem, pelo menos, o dever de tentar a travagem do belicismo americano". O livro reúne uma série de artigos que o antigo Presidente da Assembleia Geral da ONU escreveu ao longo do ano transacto, acrescido de um prefácio, onde chega a comparar George Bush a Hitler, Salazar e Franco, "ditadores extremistas que colocam a soberania nacional acima do Direito Internacional". Não quer isto dizer que Freitas do Amaral se tenha subitamente tornado num anti-americanista. O próprio explica (Expresso, 21/12/02); "Pode ser-se estruturalmente pró-americano e conjunturalmente anti-Bush." E deixa um desafio aos países europeus, para que tenham "coragem e espinha dorsal suficientes para não se sujeitarem a ser mandados". Na sua missão na ONU, Freitas do Amaral apercebeu-se da influência de uma extrema-direita americana - a ala mais radical do Partido Republicano - de um nacionalismo exacerbado e que, tal como o fascismo italiano, ou o nazismo alemão, advogavam não deverem os Estados Unidos respeitar o Direito Internacional. Ora, para FA, isto é extremamente perigoso para a comunidade internacional e cabe à Europa uma oposição firme a estas intenções. Um livro para ler já.

Detalhes do Produto

    • Ano:  2002
    • País de Produção: Portugal
    • Código de Barras:  9789722512831
    • ISBN:  9722512838
    • Encadernação:  BROCHURA
    • Complemento:  NENHUM

Avaliação dos Consumidores

ROLAR PARA O TOPO