Aguarde...
 

BAU DE ESPANTOS



Produto disponível no mesmo dia no aplicativo Kobo, após a confirmação  do pagamento!

Sinopse

Em "Baú de espantos”, publicado pela primeira vez em 1986, Mario Quintana reúne num só gesto poético o passado e o futuro, através do exercício da memória e das percepções que o assaltam diante das mudanças trazidas pela modernidade. Aqui aparece menos o Quintana ecológico e mais o poeta tocado pela nostalgia da vida simples, deixada para trás pelos arranha-céus e pela agitação da cidade grande. Ao mesmo tempo, o poeta absorve o imaginário do espaço sideral para alimentar seu lirismo. Ao lado das clássicas imagens do vento, da lua, da rua de bairro, aparece aqui a nave como metáfora da viagem que é a vida: "nau exposta aos quatro ventos,/ em pleno céu sulcado de relâmpagos”. O poeta convida o leitor a embarcar com ele numa viagem de poemas que falam de vida e morte, começo e fim, mar e céu. Em perfeita circularidade, a possibilidade do fim (fim da vida, fim das coisas simples) acaba por suscitar o retorno daquilo de que se sente saudade. Junto com a ideia de navegação, impõe-se a imagem do menino eterno por trás de cada ato de evocação e escrita poética. O garoto errante e sonhador sempre retorna nos versos de Quintana, seja como objeto, seja como o sujeito que fala. O mar da memória é um baú de maravilhas.

Sobre o Autor

Poeta, jornalista e tradutor, Mario Quintana nasceu em Alegrete, no Rio Grande do Sul, em 1906. Já em Porto Alegre, Quintana estudou no Colégio Militar e ali publicou algumas de suas primeiras produções literárias. Mario Quintana trabalhou para a Editora Globo e também na farmácia do pai. Sendo considerado o "poeta das coisas simples", seu estilo foi marcado pela ironia, pela profundidade e pela perfeição técnica. Quintana trabalhou como...
Veja todas as obras deste Autor.

Detalhes do Produto

    • Ano de Edição: 2014
    • Ano:  2014
    • País de Produção: Brazil
    • Código de Barras:  2001112724356
    • ISBN:  9788579623189

Avaliação dos Consumidores

ROLAR PARA O TOPO