Aguarde...
 

EPICENTRO


Produto Indisponível

Veja mais títulos de Poesia

Sinopse

Não sei quando cheguei...Pela retina, reluziam quadros e triângulos.Dei a perceber que o povoNão era um estorvo para o regime.(Polícia, juízes e os políticos, todos das caras gorduchasestavam presos nos calabouços!)Tudo seguia por retilíneas.As ruas estavam calmasE ninguém revirava o lixoÀ procura de comida...Eu tinha os olhos quebradosDiante da febre geométricaAo cubismo delirante da ?coisa pública?.Eu via por outra dimensãoAs cidades sem os órgãos da burocraciaOs campos sem lonas pretasE quem sorriaEra gente que antes fora ?não-pessoa?E, agora, mais valia ela do que gado brasileiro...Uma plebe passou por mimE entregou-me um panfleto que dizia- Vá hoje na arenacontar ou ouvir uma história- Nós somos a imprensa,nós somos sem a necessidade de sermos!- Esperem! Disse eu. (O meu depoimento seria o absurdo)- Onde estou?...(Atropelei a charada ao vislumbre)E o Brasil se fez de não me entenderQuando o mosaico cubista despencou-se em cacosE os fragmentos de estilhaços Caíram de meus olhos convexos...Novamente as ruas estavam agitadasPor uma massa em movimentos curvos...E eu revi o Brasil (com seus deputadose vereadores corruptos/corruptores)Com seus olhosMaiores que a sua barriga,Côncavos, sempremente,Sobreposto em cavaletes!

Detalhes do Produto

    • País de Produção: Brazil
    • Código de Barras:  9788578930271
    • ISBN:  8578930274
    • Encadernação:  BROCHURA
    • Altura: 21.00 cm
    • Largura: 14.00 cm
    • Comprimento: 0.90 cm
    • Peso: 0.25 kg
    • Complemento:  NENHUM
    • Nº de Páginas:  194

Avaliação dos Consumidores

ROLAR PARA O TOPO